Klimt

27 de junho de 2008

"Saltar a tampa"

Ontem saltou-me a tampa no trabalho, se bem que saltar a tampa é talvez um pouco forte, já que em mim é tudo muito comedido. Digamos que senti os calores a subirem por mim acima.

Há pessoas que te enervam, vais acumulando, a coisa vai passando, mas chega um dia em que não dá. E foi ontem. Não me apetece falar na situação, porque não é fácil de explicar, e nem é dramática. Aliás, em abono da verdade é uma merda sem importância. Mas quando vês que alguém que não gosta de uma resposta tua, em que dizes verdades e vai buscar temas de trabalho, sem te questionar sobre os temas primeiro e em que de repente és posta em causa pelo chefe dessa pessoa ao teu chefe, aí meus amigos, pára tudo, porque a primária ficou bem lá atrás e tenho pouca paciência para queixinhas.
Mas cómico, cómico foi ver o meu chefe achar estranha a minha reacção, não está habituado a ver-me assim. Sobretudo por uma coisa tão sem importância. Uma colega minha vira-se e diz: "Bem João, nunca te vi assim!" e outra: Desabafa, que faz-te bem!" Lol! Houve silêncio à minha volta. A verdade é que ninguém me vê refilar, queixar, exaltar. Estou sempre na minha, faço o meu trabalho, não me chateio com o acessório. Mas ontem, ontem foi mais forte que eu. Não gosto de arrogâncias, falta de maturidade e actos de má fé.

2 comentários:

Tella disse...

E saltou-te um "puta que vos pariu!"?

Maria João disse...

Não me saiu, mas foi a primeira coisa que me veio à cabeça!

"Quanto mais claro/ Vejo em mim, mais escuro é o que vejo./ Quanto mais compreendo/ Menos me sinto compreendido./ Ó horror paradoxal deste pensar... " Fernando Pessoa